24 de Novembro DE 2017 | SOBRE ESTE BLOG
Segunda-Feira, 17 de Julho de 2017, 14h:37
Tamanho do texto A- A+

Política / SODOMA 2

Silval confessa cobrança de propina e dinheiro pagou dívida de campanha

Segundo o ex-governador, a propina era de R$ 250 mil, e valor acima disso é mentira. Acompanhe o depoimento.
LAICE SOUZA/ SILVIA DEVAUX
DA REDAÇÃO/ DA REPORTAGEM

 

Com a postura de confessar os crimes que cometeu no comando do Estado de Mato Grosso, o ex-governador Silval da Cunha Barbosa (PMDB) deu início ao seu depoimento à juíza Selma Arruda, da Vara Especializada contra o Crime Organizado, em Cuiabá.


Nos seus primeiros posicionamentos, no processo referente a Sodoma 2, que investiga a cobrança de propina de empresas prestadoras de serviço no período de 2011 a 2014, Silval confessou que recebeu dinheiro da empresa Consignum, responsável pelo crédito consignado aos servidores públicos estaduais.


Ainda segundo ele, o valor pago mensalmente era de R$ 250 mil, diferente dos R$ 700 mil informado no processo por outros depoentes. "O que falarem que for mais que isso estão faltando com a verdade", disse, adiantando que essa quantia era usada para pagamento de dívida de campanha eleitoral.


Sobre César Zilio, que foi seu secretário de Administração, Silval contou que o conheceu na época que foi o coordenador financeiro da campanha dele ao governo e era pessoa da "minha maior confiança".


"No início que ele começou tínhamos muitas dívidas de campanha e vou dizer para a senhora, não existe campanha sem caixa 2 e apenas um terço de tudo é declarado ao Tribunal Regional Eleitoral", contou. Ainda segundo o ex-governador, a dívida de campanha era muito grande.


Ele ainda confessou que depois que César Zílio deixou a pasta quem assumiu foi o então secretário Francisco Faiad. Mesmo assim, Zílio teria continuado a receber o dinheiro por um tempo.

 

Participação de Pedro Elias

Com relação a Pedro Elias, o ex-governador afirmou que o chamou para adjunto na Secretaria de Administração para que pudesse ter controle normal da secretaria, porque tinham muitas reclamações. Depois ele foi levado para o cargo de secretário com a saída de Francisco Faiad para concorrer ao cargo eletivo. "Então foi a única vez a pedi para ele receber da Consignum", contou. "O que sei que ele pagou R$ 600 mil ao Elias [Pedro Elais], do qual ele ficaria com R$ 100 mil. Esse foi o único que Pedro recebeu que eu sei", contou.

 

Ainda segundo Silval, os secretários sabiam e iam "sem reclamar porque estavam levando vantagem. Assim como os empresários. Eles só fazem quando estão levando vantagem". 

 

 

Mais informações em instantes                     

 

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Blairo passa por cateterismo no Sírio Libanês, em SP

Jayme sinaliza para saída do DEM da base de Taques

Justiça Federal absolve ex-presidente do Intermat

Governo desiste de mudar nomes de duas escolas no interior

VEJA MAIS

Vídeo comentário

O Governo Pedro Taques gosta de viver perigosamente

VEJA MAIS

ARTIGOS

MT é exemplo para o mundo

Por: CARLOS FÁVARO

Existe sempre uma fila

Por: RENATO NERY

Vencedores do preconceito

Por: GRACI MIRANDA
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Ciro Gomes não acredita que Taques se reeleja em Mato Grosso
  2. Jayme diz que escolha de Fábio Garcia para presidir DEM terá de ter consenso
  3. Juíza dá 72 horas para Estado se manifestar sobre cobrança de juros
  4. TV francesa aponta Maggi como político bilionário com reputação controversa
  5. Guilherme Maluf quer instalar CPI na AL para investigar consignados

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL