24 de Setembro DE 2017 | SOBRE ESTE BLOG
Segunda-Feira, 17 de Julho de 2017, 10h:01
Tamanho do texto A- A+

Política / CONTRA TEMER

Leitura do parecer aprovado na CCJ deve ficar para dia 1º

Governo não mobiliza deputados para que relatório seja lido no plenário nesta segunda-feira
DO ESTADÃO

 

Sem conseguir votar a denúncia contra o presidente Michel Temer antes do recesso parlamentar, o governo não mobilizou os deputados para que o parecer aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) seja lido no plenário nesta segunda-feira, 17.

 

Para que haja sessão, é necessário que 51 deputados marquem presença. Na sexta-feira passada, a leitura do relatório foi adiada porque apenas 24 parlamentares estavam na Casa.

 

Segundo o líder do PMDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), o novo cronograma do governo prevê a leitura no dia 1.º de agosto, a primeira sessão após a volta do recesso.

 

A leitura é uma das etapas necessárias para que a votação no plenário, marcada para o dia 2, ocorra. Somente depois de ser lido, o parecer poderá ser publicado no Diário Oficial da Câmara e o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), será notificado para que possa incluir a denúncia na pauta de votação.

 

O governo queria ter realizado a votação antes do recesso parlamentar, mas concordou em adiá-la porque, sem a ajuda da oposição, não conseguiria colocar 342 deputados no plenário para dar início à sessão.

 

O número foi uma exigência de Maia, sob a alegação de que o resultado da votação poderia ser contestado no Supremo Tribunal Federal (STF) se ocorresse com um quórum menor. Para que a denúncia contra Temer tenha seguimento, é preciso o apoio de 342 deputados.

 

Gaveta. Após o revés, líderes governistas passaram a insinuar que poderiam simplesmente “engavetar” a denúncia, isto é, não votá-la, pois assim Temer continuaria na Presidência da República.

 

Segundo deputados da base, o interesse em votar a denúncia e afastar Temer do Palácio do Planalto era da oposição e, portanto, eles que deveriam colocar os 342 parlamentares no plenário da Câmara.

 

Uma das vantagens de não votar a denúncia em agosto, apontam os governistas, seria aguardar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar uma nova acusação formal contra o presidente e poder votá-las em conjunto em uma mesma sessão.

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Após acusações, Emanuel teme pela vida

Ex-chefe de gabinete de Silval diz que queria é gravar Riva

Stringuetta diz que colegas se portaram como piqueteiros

Vaga de Fabris na AL será ocupada na próxima terça

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Reviravolta no caso da delação de Silval Barbosa

VEJA MAIS

ARTIGOS

Participar é a solução

Por: JÚNIOR MACAGNAN

Let's talk about Rio

Por: JULIO GAVINHO

Parabéns, Coxipó!

Por: ALLAN KARDEC
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Como delator da JBS, Silval Barbosa pode perder benefícios da delação
  2. Maguila batalha para conseguir dinheiro para o próprio filme
  3. Lava Jato amplia cerco a ex-presidente Lula com mais 6 apurações
  4. Dilma avisou marqueteiros sobre prisão na Lava Jato, diz Janot
  5. Jayme é absolvido de denúncia de superfaturamento

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL