17 de Outubro DE 2017 | SOBRE ESTE BLOG
Sábado, 12 de Agosto de 2017, 17h:08
Tamanho do texto A- A+

Política / VANTAGENS DOS VAGÕES

Em e-mail fictício, Eder fala de propina paga até em euro para grupo

O ex-governador teria cuidado de tudo, mas Silval nega que tenha feito acordos na moeda estrangeira
SÍLVIA DEVAUX
DA REDAÇÃO

 


Nas informações que deixava para o promotor de Justiça Marcos Regenold Fernandes, pelo e-mail fictício no codinome de José Ribamar, em 2014, o ex-secretário estadual Eder Moraes (Casa Civil e Secopa) detalhou as tratativas do grupo de Silval Barbosa (PMDB) para o recebimento de 15 milhões de Euros que foram pagos em propina nas negociatas da compra dos vagões do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), que na época foram repassados por meio de uma conta na Espanha.


De acordo com Eder, além do ex-governador, tiveram envolvimento no esquema o ex-secretário Pedro Nadaf (Casa Civil e Indústria), o então procurador Francisco Lima (hoje aposentado) e o empresário Vanderlei Torres,  da Trimec Construções e Terraplanagem Ltda.  “Eles estão tentando de todas as formas internalizar estes recursos ou fazer operação com lastro nisso, enfim, estão fazendo engenharia financeira para esquentar essa grana”, contou nas mensagens salvas no rascunho do e-mail.

 

 

15 mi euros

A delação de Pedro Nadaf à Procuradoria-Geral da República (PGR) também revelaria o recebimento de uma propina no fornecimento dos vagões do VLT, mas de apenas 8 milhões de euros que, segundo ele, foram pagos pela CAF, fábrica espanhola de vagões ferroviários. Conforme o ex-secretário, somente soube disso porque Silval o confidenciou e o próprio governador quem cuidou de tudo. Já Silval nega que tenha feito quaisquer acordos na moeda estrangeira.

“Eles ofereceram essa operação em factoring local do Valdir Piran (Piran Factorin – VP Participações) que não aceitou fazê-la”, revelou mensagem no e-mail fictício, que Eder Moraes também teria relatado em depoimento ao MPE quando foi detido nas primeiras fases da Operação Ararath. Na ocasião, o ex-secretário da Secopa falou que as negociações foram fechadas com retorno de 9% ao grupo.


Assim, dos R$ 1.070 bilhão gasto pelo Governo de Mato Grosso com as obras do VLT, cerca de R$ 500 milhões foram usados na compra de 40 vagões adquiridos bem antes da conclusão das obras do modal que estão paradas desde setembro 2014 e os vagões abandonados no pátio do aeroporto. Ao grupo de Silval teria rendido no total R$ 45 milhões.

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Após 460 demissões, vereadores trabalham "de casa"

AL destaca votação da PEC dos Gastos na agenda da semana

Advogado aciona STF e pede afastamento de Maggi

Fábio Garcia corre o risco de ser expulso do PSB nesta segunda

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Decisão sobre caso dos grampos deixa um "cheirinho de pizza"

VEJA MAIS

ARTIGOS

A maldição da política partidária

Por: FERNANDO LEITÃO

Bem ou mal, mau ou bom

Por: GONÇALO DE BARROS

Dia da professora e do professor

Por: JUACY SILVA
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Paulo Taques mente ao STF que Mauro Zaque foi candidato a prefeito
  2. Governador Pedro Taques alerta que sem PEC do Teto salários vão atrasar
  3. Promotor abre inquérito e apura fraudes entre Unemat e Faespe
  4. Ex-comandante da PM de MT é suspeito de guardar provas dos grampos em casa
  5. Placa de sinalização em frente à Câmara é alterada

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL