25 de Fevereiro de 2018 | SOBRE ESTE BLOG
Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017, 10h:51
Tamanho do texto A- A+

Coluna do Antero / VIVA A GRAMPOLÂNDIA!

Taques ataca Perri e defende suspeitos de grampos

Antero Paes de Barros

 

O governador Pedro Taques encerrou a caravana da integração que estava acontecendo em Juara e retornou rapidamente a Cuiabá para defender mais um secretário afastado – desta vez Rogers Jarbas da Segurança Pública – e condenar os atos praticados pelo desembargador Orlando Perri.

 

O governador Pedro Taques fez as seguintes considerações:

 

- Todas as decisões do desembargador Perri contra os militares do seu governo acusados de grampos e contra Paulo Taques e Rogers Jarbas foram parciais.

 

- Todos os militares denunciados, afastados e presos, suspeitos de praticarem grampos são pessoas sérias, honestas e decentes.

 

- O desembargador Orlando Perri está participando das investigações e por isso não pode julgar.

 

- O Ministério Público, titular da ação penal não concordou com a ação e não pediu o afastamento do delegado.

 

- O Estado vai recorrer da decisão e vai processar Orlando Perri no Conselho Nacional de Justiça.

 

AS VERDADES QUE TAQUES NÃO QUIS FALAR

 

 

- Não foi o desembargador Orlando Perri quem determinou a prisão do Coronel Zaqueu, mas sim o juiz da área militar, Marcos Faleiros.

 

- HOUVE SIM PEDIDO DO MINISTÉRIO PÚBLICO PARA A PRISÃO DOS OUTROS MILITARES

 

- O próprio governo do Estado já admitiu que houve fraude no protocolo praticada por funcionários da Casa Civil, não estando ainda esclarecidos, a mando de quem. Essas fraudes visavam claramente obstruir a aplicação da justiça, pois era para impedir que se concluísse que o governador tinha sim o conhecimento dos grampos.

 

- O secretário José Adolfo é também suspeito de ter ordenado a fraude no protocolo.

 

- As investigações não estão sendo feitas pelo desembargador Orlando Perri e sim pelas delegada Ana Cristina Feldener e pelo delegado Flávio Stringueta anteriormente. É sim papel constitucional da polícia judiciária civil e federal fazerem investigações.

 

- O governador Pedro Taques deixou de explicar que o Código de Processo Penal em seu artigo 282 § 2º estabelece: “As medidas cautelares serão decretadas pelo juiz, de ofício ou a requerimento das partes ou, quando no curso da investigação criminal, por representação da autoridade policial ou mediante requerimento do Ministério Público. PORTANTO, NÃO HÁ QUALQUER EXIGÊNCIA À PRÉVIA CONCORDÂNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO”.

 

Comentário meu: A aula de Pedro Taques – e reconheça-se ele é brilhante professor – ficou pela metade. Aliás não deveria ter encerrado sua caravana no interior para vir atacar o desembargador Perri. Das decisões cabem recursos e a beleza do duplo grau de jurisdição firma a certeza para os jurisdicionados da independência do poder judiciário.

 

 

Convenhamos, não é direito de ninguém, nem dos amigos do governador escolher quem serão seus juízes.

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Prefeita de Sinop se afastará do cargo em março

Arthur Virgílio desiste das prévias e critica Alckmin

Toffoli entrega voto do "foro privilegiado" no próximo mês

Ex-governador vira conselheiro e afirma: não compensa errar

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Carlos Fávaro é uma confusão política ambulante

VEJA MAIS

ARTIGOS

Hospital Julio Müller

Por: ALFREDO MENEZES

Mudanças sim! Conformismo não!

Por: JUNIOR MACAGNAM

Truco

Por: EDUARDO PÓVOAS
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Silval revela que 7 deputados fizeram extorsão por acordo na AL
  2. Blairo Maggi anuncia nesta segunda-feira se vai ou não disputar eleições
  3. Concessionárias elevam preços, mesmo sem cumprir contratos
  4. Ex-governador vira conselheiro e afirma: não compensa errar
  5. Mais de 34 mil devem realizar provas da 2ª e 3ª etapas do Concurso de VG

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL