16 de Dezembro DE 2017 | SOBRE ESTE BLOG
Sábado, 12 de Agosto de 2017, 06h:57
Tamanho do texto A- A+

Artigos / ZAID ARBID

Ser Advogado e estar na Advocacia

ZAID ARBID

 

O Código de Ética, o Poder Judiciário, o Ministério Público e a Sociedade costumam escrever a deontologia do Advogado, isto é, os seus deveres no exercício da profissão.

 

O nosso Código de Ética ao tratar dos direitos do advogado, liga-os aos deveres, demonstrando que existe uma preocupação muito maior com os deveres do que com os direitos.

 

E está correto, pois é preciso, sempre, colocar os deveres antes dos direitos, na exata compreensão que Carvalho Neto observou dos conceitos de Rudolf Von Ihering: “Aquele que abraça uma profissão determinada, proclama por esse fato, publicamente, que está apto a executar todos os serviços que ela comporta. Põe os seus serviços à disposição do público, dá a todos o direito de ilhós irem solicitar. Poderá ela, por preguiça, ou por mero capricho, negar os seus serviços aos que ilhós reclamam? Poderá o hospedeiro despedir os viajantes; poderão o lojista, o padeiro e o marchante despedir os seus fregueses, poderão o farmacêutico e o médico abandonar o doente e o advogado poderá deixar de atender aos que vêm consultá-lo?” “Não. Todo verdadeiro homem de negócios sente que não pode proceder assim, pena de melindrar a opinião pública” (Advogados, ed. 1946, páginas 181 e 182).

 

Por isso, todo Advogado que está na Advocacia assume a obrigação de prestar seus serviços profissionais, inclusive para os casos hediondos, porque ninguém pode ser condenado sem defesa, como escrito por Ruy Barbosa na famosa Carta a Evaristo de Moraes: “Ora, quando quer e como quer que se cometa um atentado, a ordem legal se manifesta necessariamente por duas exigências, a acusação e a defesa, das quais a segunda, por mais execrando que seja o delito, não é menos especial à satisfação da moralidade pública do que a primeira. A defesa não quer o panegiríco da culpa, ou do culpado. Sua função consiste em ser, ao lado do acusado, inocente ou criminoso, a voz dos seus direitos legais.”

 

Zanardelli, com acerto, resumiu essa atuação: “o lema da advocacia é a mais absoluta dedicação à causa da liberdade, da democracia e do progresso” (“Avvocatura”).

 

Assim, o Advogado, no exercício de Advocacia, como agente vivo da lei e do direito, deve, sem amarra e mordaça, atuar em defesa dos bens e da liberdade contra a injustiça, a violência e a fraude, porque ninguém deve ser deles privado sem o devido e justo processo legal.

 

 

Zaid Arbid é advogado.

(0) Comentário(s)

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

enviar comentário
Confira Também

caldeirão político

Policia Federal devolve celular da deputada Janaina Riva

Aliados querem lançar Maia à Presidência da República

Juíza Célia Vidotti é escolhida para vaga no TRE-MT

Fábio Garcia e Sachetti assinaram fichas de filiação ao DEM

VEJA MAIS

Vídeo comentário

Vereadores se colocam como servidores públicos: não são!

VEJA MAIS

ARTIGOS

Fake news e boi brasileiro

Por: AUREMÁCIO CARVALHO

Presos provisórios no Brasil

Por: HÉLCIO CORRÊA

Cínico eleitor!

Por: ELIZEU SILVA
VEJA MAIS

mais lidas

  1. Terra sem lei: segurança não existe no interior de Mato Grosso
  2. Taques perderia para Blairo numa disputa ao Governo de Mato Grosso
  3. Tucanos preocupados com rejeição de Pedro Taques
  4. FEX será insuficiente para honrar todos os compromissos, diz Pedro Taques
  5. BR-364 será totalmente interditada nesta sexta-feira (15)

ENQUETE

Se as eleições fossem hoje e Pedro Taques fosse candidato à reeleição, você votaria nele?
PARCIAL